ptenfrdeitrues

Jose Moreno, defende que os maçons empresários, devem defender os empregos dos seus trabalhadores e não visar somente o lucro.

Grão Mestre da GLLP Grande Loja Legal de Portugal, Jose Moreno, defende que os maçons empresários, devem defender os empregos dos seus trabalhadores e não visar somente o lucro.

O grão-mestre da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), José Moreno, deixou na quarta-feira um aviso aos "irmãos" patrões: "Um maçom não deve, nem pode, promover o desemprego para proteger margens de lucro."

Fotografia © Orlando Almeida / Global Imagens

Continue a leitura

Foi eleito o novo Grão Mestre da GLF

Realizou-se no passado 16 de Junho o Convent da Grande Loja de França. Foi eleito, Grão Mestre da GLF, Marc Henry. A Grande Loja de França é a segunda maior obediência francesa, possuindo mais de 34 mil membros.

 

Lançamento do Abecedário Simbiotico

Foi lançado em Portugal, o Abecedário Simbiotico, dedicado à Maçonaria, pelo professor catedrático Adelino Maltez.


Estiveram presentes no lançamento do livro, o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, o Presidente do CLIPSAS, o Presidente da Grande Loja Simbolica de Portugal de Memphis Misraim, alem de outras individualidade da vida maçónica portuguesa.


Coube a apresentação do livro, a Paulo Teixeira Pinto, ex presidente do BCP Millenium e antigo destacado membro da Opus Dei em Portugal

Criação do Instituto Português de Estudos Maçónicos

Vai ser criado o Instituto Português de Estudos Maçónicos. Este Instituto pertence ao Grande Oriente Lusitano e deverá ser instalado no bairro da Graça.

“Vai ser uma escola de valores e de princípios que é necessário aprofundar... “O Instituto dará um conhecimento mais pedagógico à sociedade do que é a maçonaria”, e vai promover cursos, publicações e conferências, disse Fernando Lima, Grão Mestre do GOL. Este tipo de instituição é comum em organizações maçónicas da França, Bélgica ou Estados Unidos


Esta obediência possui cerca de 2000 membros distribuídos por cerca de 90 lojas em todo o país.  Fernando Lima afirma que o GOL “não é uma instituição de massas”. “Interessa-nos a qualidade”, confessa, recusando que intervenha como um lobing  na sociedade. "A nossa pedra de toque é a liberdade de consciência”.