MAÇONARIA: “UMA ESTRELA QUE BRILHA NO SILÊNCIO”
Sem sombra de dúvida, nenhuma organização é tão fascinante e ímpar quanto a gloriosa Maçonaria. Com a missão de tornar homens bons, melhores, ela conseguiu a proeza de permanecer intacta às intempéries da vida, mantendo-se firme como os preceitos que a impulsionam. A trilogia Igualdade, Fraternidade e Liberdade é digna de atenção, pois apresenta conceitos modernos e indispensáveis para um convívio melhor na sociedade. Há séculos, esses são conceitos conhecidos, praticados e divulgados por seus integrantes.

Hoje, fala-se muito em ecumenismo como forma de resposta aos conflitos religiosos. Contudo, a Maçonaria foi a primeira entidade em que a fé individual foi utilizada como instrumento de integração, e não como combustível para sangrentas guerras – provando que todos somos filhos do mesmo Criador, ou seja, irmãos, e podemos viver realmente como tal, independente da religião a qual pertençamos.

Atualmente, percebemos que o racismo é uma patologia temível, que coloca em risco a humanidade, então, notamos o valor do exemplo da fraternidade maçônica, pois esta abomina todas as formas de racismo.

A filantropia, um de seus estandartes, tem uma característica própria que deixa esse gesto mais nobre: o silêncio, em que, na grande maioria das vezes, nem o próprio beneficiado tem conhecimento de seu benfeitor. Esse condimento não só deixa caracterizada a verdadeira caridade, como nos ensina que não devemos fazer as coisas boas, se podemos fazê-las perfeitas.

Num universo tão eclético, seus congregados aprendem a honrar três grandiosos pontos, que são sagrados em todos os lugares: Deus, Pátria e Família. Independente da cultura, esses tópicos são unanimidade – os mais valiosos que um povo pode possuir. Percebemos que, quando tais ícones são desonrados, as conseqüências são enormes.

Porém, investida de tais predicados, foi sempre alvo constante de perseguições, injúrias e preconceitos, pois jamais se alienou perante as mudanças globais, mostrando-se como obstáculo para caprichos de déspotas; prova disso é que há, até os nossos dias, histórias “fantásticas” pulverizadas nas mentes férteis das massas, associando Maçonaria a elementos malignos: idéias como “os maçons praticam magia negra” estão presentes e geram relatos tão absurdos quanto a maldade de quem os criou.

Certamente, a razão fundamental para que a Maçonaria não se tornasse apenas uma mera coadjuvante na história da humanidade foi a dedicação e a disciplina de seus integrantes, pois apesar das lutas, não se inclinou para os problemas, ao contrário, a cada obstáculo se fortaleceu.

Privilegiando os excluídos, defendendo a ética, res-peitando as autoridades, incentivando a paz, lutando contra vícios e cultivando a moral, ela segue firme em sua jornada que é a disseminação desses valores, que são tão grandiosos e estão além do nosso plano material, pois a certeza da imortalidade da alma e a crença da existência de um Ser Supremo são os geradores de tanta energia positiva, e com toda certeza, são companheiras dos maçons em qualquer trajeto, seja no cotidiano ou na esperança de uma vida posterior.

Cristyano Ayres Machado, M.·. M.·.
 
valid xhtml valid css